quarta-feira, 24 de setembro de 2008

O futuro é sempre incerto

.
"Eu bato o portão sem fazer alarde,
Eu levo a carteira de identidade,
Uma saideira, muita saudade,
E a leve impressão de que já vou tarde."
(Chico Buarque)
o

Para contar a história inteira é preciso, de início, elaborar um final.


- Nada... Eu queria que você tivesse ouvido.
- Então, você deveria me dizer.

Em silêncio, repito o que ouvi na primeira vez em que nos falamos.
Termino, como comecei.
.
................................................................................Fim.
.
.
................................O futuro é sempre incerto................................
.
Nossas mãos se tocaram com cuidado, de repente, por um acaso que a gente provocou.
E aceitamos, em silêncio, um e outro, andarmos de mãos dadas, como se fossemos velhos conhecidos, enquanto, também não por acaso, avisávamos um para o outro que acabáramos de nos conhecer.
As mãos seguravam-se firmes, mas nem elas mesmas sabiam o porquê de agirem assim, e tímidas, soltaram-se, aos poucos, até que apenas as pontas dos dedos encontravam-se umas com as outras.
Seus dedos estavam na ponta da minha mão, minha mão, na ponta de seus dedos.
Um convite para sentar.
O banco de concreto no meio do jardim.
Tanta conversa para tão pouco assunto.
Tanto assunto para tão pouco (e ao mesmo tempo, tanto) tempo.
Pra que falar?
Um beijo na minha testa, nossas mãos estavam juntas,
um beijo na bochecha, a certeza de que nos beijaríamos:
nosso beijo, na boca.
Uma boca na boca do outro.
E os dedos, que as nossas mãos soltavam, nos tocavam com carinho.
Carinho: foi essa palavra que ouvi, enquanto a gente não falava nada.

- A gente nunca falou...
- ...te amo?
- ...
- ...volta?
-...
- ...adeus?
- ...
- Fala!
- Nada... Eu queria que você tivesse ouvido.
- Então, você deveria me dizer.

Em silêncio, repito o que ouvi na primeira vez em que nos falamos.
Termino, como comecei.

................................................................................Fim.
.

3 comentários:

LuLu disse...

Quel!
Estou conhecendo mais dos seus segredos... rs...
Vou add seu blog na minha barra de favoritos!
Beijinhus...

LuLu disse...

Acho q a sua descrição, até onde eu sei (retiro dessa parte a parte do segredo) está mto fiel, exceto pela parte do "vou devagar"... Afinal... Td mundo q te conhece te vê sempre correndo tanto...
É... Esse segredo q não pára de gritar por vc, hein Quel? hehe...
Beijinhus linda...

-d.c.- disse...

segunda tentativa: consegui chegar ao fim. antes, a primeira vez, foi mais fácil chegar ao fim - estava no começo. e de fato quando começou, parei. me era muita verdade. "escrever só vale se sangrar", um dia escrevi... ou ouvi, sei lá, não importa. o que importa é que este texto sangra verdades difíceis, e é isso que faz um texto ser bom. com uma alegria difícil, leio seu segredo até o final (o segundo, após o primeiro), com paciência e delicadeza - tal como me disse um dia, uma tal r., e a cada dia sua palavra se faz Kaddish em meu silêncio. d(_ _ _ _).